PARQUE NACIONAL DE SETE CIDADES

PARQUE NACIONAL DE SETE CIDADES

 

Estado litorâneo com a menor extensão de costa do Brasil, apenas 66Km, guarda belas surpresas em seu interior. Uma delas é o Parque Nacional de Sete Cidades, local que abriga formações rochosas de cerca de 190 milhões de anos e ricas inscrições rupestres.

.....O parque tem esse nome por causa dos diferentes grupos de rochas que, separados entre si parecem formar pequenas “cidades”. Cada uma delas tem suas cabeças de índio ou de Dom Pedro I, Tartaruga, Arco do Triunfo e o que mais sua imaginação possa “definir”.

.....Já as pinturas rupestres apresentadas na unidade têm cerca de 6000 anos e são conhecidas internacionalmente.

.....A viagem rumo ao Circuito das sete cidades começa em seu pequeno centro de visitantes, onde encontrará informações sobre o parque e um guia para acompanhá-lo (é possível fazer o trajeto à pé ou de carro). O calor é intenso parece brotar de todos os lados, portanto muita água, protetor solar, roupa leve, calçado confortável e chapéu ou boné são indispensáveis

O cenário de pedras aguçou o imaginário popular, de escritores e de estudiosos estrangeiros que criaram certas teorias sobre o local.

.....Para Erich von Däniken, autor de “Eram os deus astronautas?” forças não-naturais construíram as Sete Cidades. A erosão agiu diferentemente em cada grupo de rochas e em algumas divisões há linhas retas em tinta vermelha. Seria o trabalho de um arquiteto intergalático querendo “(...) saber se a raça humana sabe dar o passo para evoluir ou se é pré-programada pra se destruir (...)”? (parafraseando a letra da música “O retorno do maia intergalático”, de Lulu Santos.).

As pinturas rupestres poderiam ser dos Vikings, segundo o pesquisador francês Jacques de Mahieu. Ele esteve no Brasil em 1974 e viu nas inscrições, semelhança com a escrita rúnica (o mais antigo alfabeto germânico). Von Däniken viu em algumas pinturas semelhança com a estrutura helicoidal do DNA. Difícil achar quem não vê!

.....Já o historiador austríaco, Ludwig Schwennhagen considera os fenícios os primeiros habitantes das Sete Cidades.

.....Em busca de novas rotas comerciais chegaram por aqui e fizeram do local cenário para cerimônias religiosas. Ele também acredita que a raça Tupi (que de acordo com Tupinambás e Tabajaras chegaram ao norte do Brasil, provenientes de um país que não existia mais) é remanescente do continente perdido de Atlântida. A idéia é reforçada pelo italiano Gabriele D’Annunzio (soldado, poeta, aventureiro e principal mentor da liturgia fascista que nascia após a I Guerra Mundial) que em uma viagem à Ica (no Peru) viu o que dizia ser o desenho do continente americano onde estão rotas oceânicas ligando Atlântida ao Delta do Parnaíba (oeste piauiense). O Sete Cidades está na porção nordeste do Piauí.

 

Fonte: http://www2.uol.com.br/mochilabrasil/setecidades.shtml